FANDOM


Sob as Asas do Morcego
Origins-9
Informações Gerais
Série Batman: Origens
Arco A Ascensão
Número do Episódio 9
Sequência
Episódio Anterior Aliados
Episódio Seguinte Medo do Escuro
Créditos
Escrito por JokerLeo
Sob as Asas do Morcego é o nono episódio da série Batman: Origens.

SinopseEditar

Gordon e Batman estão trabalhando juntos para levar provas contra as máfias de Gotham City até a promotoria e, com ajuda de Harvey Dent, derrubar o crime organizado na cidade.

EnredoEditar

Novo dia surge em Gotham, mais uma manhã. Bruce Wayne, em sua mansão, toma seu café. Com uma mão, o jovem milionário segura a sua xícara, com a outra lê seu jornal. “Onde está?” – pergunta Bruce em voz alta. Alfred, que estava limpando os móveis questiona se o seu patrão está aguardando alguma notícia e Bruce responde que as provas contra Falcone foram entregues ao Tenente Gordon e já deviam ter chegado na promotoria, mas até agora não há nenhuma notícia. Alfred diz que isso deve ser ruim, e Bruce responde que na verdade não é, o promotor Harvey Dent é um sujeito confiável e muito dedicado, deve saber o que está fazendo.

Na promotoria, Dent lê com cuidado os documentos que Gordon tivera lhe entregado e surpreende-se, pois Falcone tem lucrado uma fortuna no mundo do crime.

Gordon dirige seu carro pelas ruas de Gotham, carrega consigo o dilema de o que fazer com os papéis que lhe foram entregues, não pode deixar cair em mãos erradas e também não faz ideia se aquilo é verdadeiro. Ele então para seu carro em frente ao Departamento de Polícia e esfrega seus olhos. Então olha para a pasta no banco do passageiro e dá partida no carro, saindo dali.

Na Mansão Falcone, o chefe mafioso recebe um telefonema do senhor Edward Nygma. “Maroni quebrou, senhor Carmine.” – anuncia o Charada. Falcone pergunta do que está falando, e Nygma responde que provas contra o homem foram entregues ao policial mais honesto da cidade, que está, nesse momento, entrando no prédio da promotoria de Gotham com uma pasta. Em frente ao prédio da promotoria, Nygma está observando tudo com um casaco cinzento, um chapéu preto e um óculos de sol, fingindo ser outro civil qualquer enquanto tocaia o Tenente.

Falcone pergunta se isso é um sinal de vitória, e Charada responde que não, pois não sabem o que o Batman fez dos seus arquivos, mas certamente é um sinal de perda para Maroni, que em poucas horas deverá ter seu “império” derrubado e a família Falcone voltará ao topo.

Lá dentro do prédio, Gordon entrega a Harvey Dent os papéis sobre Maroni. “Seu amigo de novo, Gordon?” – pergunta o promotor. Gordon responde que não é o estilo dele e entrega o cartão com o enigma que recebeu para Harvey Dent. O promotor diz que esses cartões estão circulando, recebeu alguns durante a semana. Gordon pergunta o que significam, e Dent diz que não faz ideia. “E quanto ao Falcone?” – pergunta Gordon. Dent explica que tem péssimas notícias, seu mandado de busca foi negado pelos seus superiores. Gordon pergunta o porquê. “Disseram que precisam de provas mais concretas, mas no fundo nós sabemos que eles não querem botar o Falcone atrás das grades e no dia seguinte perceberem que alguns dólares foram retirados da poupança.” – responde o promotor. Gordon pergunta o que farão, e Dent responde que vai tentar ver o que pode fazer com relação a Salvatore Maroni, Falcone ainda está instável, podem deixa-lo para mais tarde. Gordon olha no relógio da parede e diz que precisa ir, Loeb e Flass são farinha do mesmo saco do Romano, é melhor não deixar indícios. Ele aperta a mão de Harvey e se retira.

No Departamento, Gordon chega ao local atrasado. “Anda dormindo demais, Jimmy?” – pergunta Arnold Flass com um sorriso sarcástico. Gordon, sem dizer uma palavra, continua andando até a sua sala.

Flass vai para o escritório do Comissário Loeb, e ao chegar, o capitão encontra o comissário falando ao telefone. O Comissário se despede e desliga o telefone. Loeb conta que era o Falcone, ele disse que o Gordon está trabalhando pra ele, mesmo que sem saber, para derrubar a Máfia de Maroni. Flass pergunta como assim e Loeb responde que não tem muitos detalhes, um tal de “Charada” entregou algo ao Gordon, algo que pode comprometer Maroni, e o Gordon entregou isso à promotoria. Flass comenta que isso é bom, logo Falcone voltará ao topo e não é um morcego ou um policial metido a besta que vai derrubar a maior organização criminosa da cidade.

A noite chega novamente, e Gordon vai passando outra vez por um beco escuro perto do Departamento. Ele ouve seu nome ser chamado, e ao virar para trás, encontra o Batman. “Eu estava querendo lhe ver.” – afirma o policial. O vigilante pergunta se fez o que lhe pediu, e Gordon responde que sim, mas não tem resultados. “Por que?” – questiona o homem morcego, e Gordon explica que Falcone subornou as pessoas certas, Dent não é suficiente para derrubar o Falcone. “Imaginei. E quanto à escuta?” – pergunta Batman, e Gordon responde que conseguiu instalar na sala do Comissário. Batman o agradece, e quando está de partida Gordon lhe pede para esperar, e pergunta a respeito de Maroni. Batman fala que não sabe nada a respeito de Maroni, e Gordon explica que não é isso, alguém lhe enviou provas contra Maroni, muito parecidas com as que o Batman tivera lhe entregue sobre o Falcone.

Batman diz que não fez isso, e pergunta se Gordon faz ideia de quem possa ter sido. Gordon explica que havia um cartão com uma charada. “Uma charada é? Eu ouvi falar a respeito desses cartões.” – afirma o morcego. Gordon questiona quem ganharia alguma coisa fazendo isso, e acaba percebendo que o Batman desapareceu.

Na Mansão Falcone, o mafioso chega ao seu quarto e, ao ver a janela aberta, percebe que alguém esteve ali, pois tivera deixado sua janela fachada. “Eu imaginei que fosse estar seguro. Guardo grandes jóias no cofre, o vendedor me disse que era impenetrável.” – afirma o mafioso abrindo seu cofre e vendo que está vazio. “Apareça, seja lá quem for, ou teremos que terminar isso de uma forma ruim.” – diz o mafioso em voz alta, é então que ouve uma voz falando “ninguém me avisou que o cofre era impenetrável. Ao virar-se para trás, encontra uma mulher vestindo uma roupa de couro preta como uma fantasia que lembra um gato.

Falcone pega uma arma e aponta para a moça. “É o seguinte, querida, hoje estou num dia bom e eu posso lhe oferecer um bom negócio. Deixe o que é meu bem aí e retire-se. Se eu atirar em você, ninguém vai se importar, mesmo estando vestida nessa roupa, então estou lhe dando uma chance por pura bondade.” – diz o mafioso.

A mulher desamarra o chicote preso em sua cintura e acerta a mão de Falcone, fazendo-o derrubar sua arma. Ela se aproxima do mafioso e diz em seu ouvido “agradeço a generosidade, pode me chamar de Mulher-Gato”, cravando suas garras no rosto do mafioso e arranhando-o. Ela pula da janela carregando consigo a mala com as jóias de Falcone, deixando o chefão do crime furioso, que ordena que seus homens sigam a Mulher-Gato.

A mulher pula pelos prédios de Gotham com as jóias, fugindo dos homens de Falcone, quando é parada pelo Batman. “Tenho impressão de que está carregando algo que não lhe pertence, senhorita.” – afirma o vigilante, e a Mulher-Gato diz que não vai impedi-la novamente. “Estranho, não lembro de você.” – afirma o Batman enquanto tenta socar a Mulher-Gato. Ele a derruba no chão. “É pecado bater numa mulher.” – afirma a ladra. “Também é pecado roubar.” – diz o Batman pegando a bolsa com as jóias de Falcone. “É roubo se você rouba de Falcone?” – pergunta a Mulher-Gato, que usa seu chicote e prende o braço do Batman, deixando-o derrubar a bolsa para que ela, com um salto a pegue.

“Até mais, gatinho, nos veremos novamente.” – Afirma a ladra, que consegue fugir com as jóias. Batman fica a observando e a reconhece, deduzindo que seja a ladra Selina Kyle, que já enfrentou algumas outras vezes.

Ao chegar na caverna com seu carro, Batman encontra Alfred lhe aguardando. “Como foi a noite de trabalho, senhor?” – pergunta o mordomo. Bruce retira sua máscara e diz que foi complicado, os planos com relação ao Falcone falharam, o mafioso conseguiu comprar as pessoas mais poderosas de Gotham. “Até mesmo Harvey Dent, senhor?” – questiona o mordomo. “Eu acredito em Harvey Dent, mas ele não pode fazer isso sozinho. AO única coisa que resta é conseguir mais alguma prova contra Falcone.” – responde Bruce Wayne. Alfred pergunta quanto à escuta do Gordon, e Bruce responde que essa é sua última esperança, ainda está no Departamento, de acordo com o Tenente Gordon, ainda não foi descoberta.

Na Zona Leste, Selina Kyle tira seu traje e abre a bolsa com as jóias de Falcone. Ela põe uma corrente de ouro em seu pescoço e um brilhante anel em sua mão. É quando seu gato chega em seu quarto. Ela acaricia a cabeça do gato e diz que os tempos estão mudando, Selina Kyle também está.

No telefone, Carmine Falcone diz a Nygma que acabou de ser roubado e ter sua mansão invadida. Era uma mulher, roubou alguns pertences e foi embora. Nygma afirma que não entende o que tem a ver com isso. “Os criminosos de Gotham City não tem mais medo de mim, Nygma, e foi você que eu contratei para que garantisse que eu estaria seguro. Tome cuidado, Nygma, falhe e eu irei atrás de você!” – Diz o mafioso ao telefonema.

“Não, senhor Falcone. Não se esqueça que da mesma forma que eu tenho em minhas mãos o suficiente para derrubar Maroni, tenho o suficiente para derrubar o senhor e qualquer outro mafioso de Gotham City. Não se esqueça disso, senhor Falcone, e tenha uma boa noite.” – Diz Edward Nygma, desligando o telefone e encerrando a ligação.

PersonagensEditar

CuriosidadesEditar

  • A cena do roubo de Selina ao cofre de Carmine Falcone foi uma referência ao filme “The Dark Knight Rises”, contendo algumas falas semelhantes, como a parte que Falcone diz que o cofre é impenetrável e Selina fala que não lhe avisaram.
  • Outra referência ao mesmo filme é quando Falcone fala que mesmo vestida de tal forma, ninguém sentiria falta de Selina se a matasse. Esse trecho é referência a uma cena de Selina e John Dagget no filme.
  • A frase “Eu acredito em Harvey Dent” que Bruce fala no fim do episódio é uma referência direta à frase usada pelo promotor nas suas campanhas eleitorais nos quadrinhos e no filme “The Dark Knight”.