FANDOM


A Queda do Império
Origins-7
Informações Gerais
Série Batman: Origens
Arco A Ascensão
Número do Episódio 7
Sequência
Episódio Anterior O Banquete
Episódio Seguinte Aliados
Créditos
Escrito por JokerLeo
A Queda do Império é o sétimo episódio da série Batman: Origens.

SinopseEditar

Após os acontecimentos na mansão de Carmine Falcone, o mafioso se sente ameaçado pelo Batman e acaba perdendo parte do seu poder como chefão do crime em Gotham City.

EnredoEditar

Outra manhã em Gotham, as notícias sobre a aparição do Batman no Baile de Carmine Falcone logo criaram uma grande polêmica em toda a cidade. Todos os jornais, todo mundo fala do Batman em Gotham.

No Asilo Arkham, Hugo Strange chega em seu escritório com seu jornal, lendo a matéria que diz “Batman invade baile de Carmine Falcone e ameaça participantes da festa”. O mesmo põe em seu rosto uma expressão sorridente, põe a mão no seu queixo e põe se a pensar. “Simplesmente fascinante. Certamente humano, mas que tipo de pessoa teria esse tipo de pensamento? que tipo de pensamento é esse? O que o levaria a tê-los? O que eu não faria para poder me aproximar, para poder estudar essa mente tão fabulosa?” – Questiona-se o psiquiatra sentado na cadeira de seu escritório no Asilo.

Longe dali, Salvatore Maroni também está com seu jornal em mãos, dando altas gargalhadas enquanto bebe seu café da manhã. Alguns de seus empregados estão lhe fazendo companhia, rindo com seu chefe, comemorando a aparição do homem-morcego na mansão de Carmine Falcone. Maroni vê aquilo como uma afronta direta ao seu rival Carmine, e isso o alegra consideravelmente.

No Departamento de Polícia de Gotham, o Detetive Bullock e o Tenente Gordon comentam entre si sobre o nervosismo de Flass e Loeb. Bullock diz acreditar que a aparição do morcego realmente lhes preocupou, isso quer dizer que o circo vai pegar fogo pra os ratos daquele departamento. Gordon pergunta se Bullock consideraria, de certa forma, o Batman como um aliado. Bullock olha em silêncio para o rosto de Gordon quando solta uma alta e exagerada gargalhada, afirmando que Batman é um cara que lia historinhas demais quando pequeno, longe de ser um aliado, lhe parece mais uma ferramenta para ajudar a botar Falcone contra a parede de fora do Departamento, quando fizer isso, Batman estará preso.

Na sala do Comissário Loeb, Harvey Dent, enquanto brinca com uma moeda em sua mão, fala apenas um “não”. Esse “não” cria em Loeb uma reação bastante repulsiva, pois esse questiona ao promotor como ele não dará apoio ao mandato de prisão do Batman. Dent justifica que o Batman não especificou claramente o que quer nem com que está envolvido, e até então ele não fez nada demais.

Loeb, enfurecido, afirma que Dent viu o morcego invadir o salão de festas do senhor Falcone, viu o tipo de ameaça que fez ao povo de Gotham. “Ele não ameaçou o povo de Gotham, ele ameaçou aqueles que comeram o espírito de Gotham. Sei que não estou entre esses e estou muito curioso para saber no que isso vai dar. Se quer mesmo o meu apoio, Comissário, sugiro que faça um trabalho bem feito e busque descobrir a que o Batman se referia e qual a ligação disso a Falcone, se é que já não sabe, senhor. Com licença.” – Conclui o promotor, que põe a sua moeda em seu bolso e se retira do espaço.

Na Mansão Wayne, Bruce toma suas vitaminas em seu café da manhã quando um jornal é jogado sobre a mesa. “Disserte!” – Fala Alfred para seu patrão. Bruce diz que ao que lhe parece, o Batman tem feito um ótimo trabalho. Alfred afirma que o senso de humor de seu patrão é “formidável”, mas o risco consegue ser maior do que faz é um pouco maior do que o seu humor.

Na Mansão de Carmine Falcone, o mafioso está em seu escritório quando recebe um telefonema anônimo. Falcone está estressado e impaciente, mas atende mesmo assim. “Olá, senhor Falcone!” – cumprimenta o homem por trás da linha. Falcone pergunta com quem está falando, e o sujeito continua. “Não é o senhor que faz as perguntas aqui, Falcone, sou eu. Soube dos problemas pelos quais está passando com o tal homem-morcego. Sou um sujeito disposto a colaborar com a sua pessoa.” – Afirma a pessoa, ainda mantendo o anonimato. Falcone pergunta o que quer, e o homem responde: “Quero apenas alguns trocados. Sou um estrategista, posso descobrir quem é o Batman se for pago para isso”. Quando questionado por Falcone sobre a razão para confiar nele, o sujeito é claro “faço um ótimo trabalho, senhor, tanto que sei exatamente o porquê de o Batman estar atrás de vossa senhoria, sei de todos os seus podres que vão além até mesmo do que o cabeça de morcego possa imaginar”. Falcone suspira e pergunta como pode lhe chamar. “Descubra-me e a graça acaba, fui criado apenas para fazê-lo pensar em uma resposta, saiba o que sou, e saberá quem sou. Favor ligar novamente quando pensar” – Completa o homem, terminando em seguida a ligação.

“Uma charada”, diz Falcone. Ele ouve alguém batendo em sua porta e pede que entre. Butch, seu chefe de segurança aparece então afirmando que os arquivos sobre as vendas foram roubados. Falcone pergunta por quem e Butch explica que as fitas de segurança foram levadas também, não faz ideia de quem possa ter levado. Falcone bate em sua mesa enfurecido e diz que não é possível. Depois de alguns segundos de silêncio, olha para o seu telefone.

A noite chegou em Gotham City. Na sacada da casa de James Gordon, o policial olha para os céus sombrios de Gotham City. Ele está a refletir, esta não é a cidade que ele quer viver com sua família. Sua filha Barbara aparece abraçando seu pai. Ela pergunta se está tudo bem, e Gordon responde que está sim. Alguns pingos de chuva começam cair. Gordon pede que sua filha entre, e ela pergunta se ele não vem. O pai diz que irá entrar sim, enxugando de seu rosto uma lágrima que escorre.

Num beco da cidade, um criminoso psicopata chamado Victor Zsasz assalta uma mulher ameaçando-a com uma faca. Eles ouvem um vulto passando sobre eles. Zsasz pergunta quem está aí, e não tendo nenhuma resposta volta ameaçar a mulher. Algo bate em sua faca derrubando-a, uma espécie de lâmina em formato de morcego que fica na parede.

Em um momento de desconcentração de Zsasz, a refém consegue escapar e Zsasz dá uma alta gargalhada ordenando que “apareça, homem-morcego”. Por trás dele, Batman lhe soca. Zsasz cai no chão, e Batman se aproxima.

Zsasz estica-se para alcançar a sua faca que está ali jogada, mas Batman pisa em sua mão, em seguida o suspendendo e dizendo “acabou”. Zsasz cospe no rosto do Batman e diz que ele não o assusta. O vigilante, enfurecido, fala que devia e lhe acerta um soco em sua cabeça, fazendo-o desmaiar. Batman ouve as sirenes da polícia aproximarem-se e foge do local, deixando Zsasz caído ali. A mulher o mostra e fala que aquele é o homem que lhe ameaçou, e os policiais o prendem.

Na manhã seguinte, no Asilo Arkham, Victor Zsasz está algemado, sentado em uma cadeira sozinho. A porta de sua cela se abre e alguém entra. Doutor Hugo Strange, que tira de seu bolso um bloco de notas e uma caneta. “Aquele maldito morcego, parecia o diabo. Ele me bateu, parecia que estava preparado para tudo o que eu fizesse. Dizem que eu não sou normal, mas não, aquilo sim, aquilo é que não era normal! Tem que me ajudar, doutor, eu sonhei com isso a noite toda, ele não sai da minha cabeça!” – fala Zsasz nervoso enquanto Strange apenas anota tudo em seu bloco em silêncio.

Na casa de Harvey Dent, ele abre a porta e encontra em frente a ela uma carta verde com uma interrogação amarela. Ao abrir o cartão, ele depara-se com a frase “Quem é o Batman?”. Outras pessoas como a Juíza Surillo, o prefeito Hamilton Hill, o comissário Loeb e o Capitão Arnold Flass também recebem o mesmo cartão, todos estavam no baile de Carmine Falcone.

Na Mansão Wayne, Alfred entrega o cartão para Bruce Wayne. Ao abrir e deparar-se com a mensagem, Bruce pergunta o porquê de deixarem isso ali e quem pode ter deixado. Alfred afirma que não faz ideia, e questiona se seu patrão não deixou ninguém que não devia descobrir, e Bruce responde que não, não deixou nenhuma ponta solta. Isso deve ser algum tipo de jogo, como uma Charada, alguém deve estar tentando pressionar o Batman para que esse perca o controle. Alfred diz que essa seria uma ideia interessante, e recomenda que seu patrão tome cuidado.

Em um apartamento, vários papéis estão espalhados, ligados por fitas adesivas e linhas. No chão todo bagunçado, um livro de charadas. Lá, um homem, aquele que falou com Carmine Falcone, pensa... “A Mansão Falcone foi atacada de dentro para fora, então somente uma pessoa que já estivesse lá conseguiria ter desativado as câmeras de segurança, roubado os arquivos e nocautear seguranças. A essa altura, todas as pessoas pra quem mandei os cartões devem tê-los visto, e devem estar buscando a razão de terem recebido isso, exceto um deles, esse deve estar suspeitando que alguém esteja investigando sobre o Batman e que possa ter descoberto quem o homem-morcego seja. Não, não. O Batman é mais inteligente do que isso. Certamente já deve suspeitar de que a pessoa por trás do cartão deva estar jogando, e estou. Uma hora essa pessoa vai tentar descobri quem eu sou, e eu vou poder chegar ao fundo da questão. Edward Nygma, você finalmente tem um grande adversário intelectual a sua altura, finalmente, o Batman irá enfrentar a mente do Charada!” – diz ele em seu lar.

PersonagensEditar

CuriosidadesEditar

  • O episódio introduz à série um novo arco, onde o Batman já está mais "estabelecido" e será mostrado ele combatendo seus primeiros grandes vilões.